Rede Abelha

Loading...

Videos Angoleiros

Loading...

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Tempo, tempo, tempo!

Minha gente, o tempo não parou hora nenhuma desde a minha ultima postagem há meses atrás. Agora, o fim de ano se aproxima e o moto contínuo da vida  mostra como é relativa a ideia de tempo. O que pareceu rápido, pode ter sido lento e vice-versa. A velocidade também é assim. Pessoalmente, gosto quando o tempo passa rápido, pois dá a idéia de viver intensamente a vida e as coisas. Mas como já disse, isso tudo é relativo. Bom mesmo é sentir  e perceber como o nosso viver pode ter tocado a vida de outras pessoas. Isso não é nenhum privilégio particular. Milhões de pessoas vivem essa mesma sensação. A minha pergunta é: O seu viver tem vibrado positivamente na vida de alguém? Se sim, que bom que poderás continuar fazendo isso. Se não, que bom que ainda podes fazer diferente, para no final ter feito a diferença. É preciso coragem sim para encarar de ter uma atitude dessas. Até agora, tem sido um ano vitorioso. Tenho sido corajoso, pois segundo o grande mestre Pastinha, aquele que tem muitos amigos é uma pessoa corajosa. Resumindo, estou de volta com meus "manuscritos" digitados.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

O retorno!

Leitores e leitoras queridas, estou em recesso, mas em breve estarei com voces de novo contando histórias e estórias! Me aguardem! Tenho muito prá contar...

sábado, 2 de março de 2013

Sexta Roda

A sexta roda foi logo depois do carnaval. Ainda tínhamos algumas pessoas dos outros nucleos Nzinga por aqui. Mas, por outro lado, muitas outras pessoas ainda não tinham retornado de suas viagens onde fugiram do carnaval. Foi boa porque marcou o retorno das nossas atividades e esse é sempre um momento legal. O ano está apenas começando...

Quinta roda

A nossa quinta roda aconteceu extraordinariamente numa quarta feira, exatamente a que antecede o inicio do carnaval, na quinta feira. Já registrávamos as presenças de muitos do Nzinga São Paulo e alguns do Nzinga Bsb, que vieram para a festa momesca. Só por isso, já tivemos um clima especial. Algumas pessoas já estavam desde o dia 2 de fevereiro, que foi um evento maravilhoso, com muitos amigos e amigas que abrilhantaram a festa e a roda. Os mestres Valmir (Fica), o mestre Márcio (Gcap), o mestre Boca do Rio (Zimba) e o Contra-mestre Pezão deram um tom especial à festa. A Plateia maravilhosa também fez a diferença! Uma coisa que foi diferente nesse 2, foi a presença das mulheres comandando o samba na cantoria e os jovens e crianças nos instrumentos. Foi demais de diferente e foi maravilhoso! A nossa roda do dia 2 de fevereiro se propõe a resgatar um pouco do espírito da vadiação de antigamente, onde o uso do uniforme é dispensado e as pessoas comparecem exatamente como vão para festa de largo. Assim como aconteciam com os estivadores  no porto de Aratu, enquanto esperavam os navios chegarem para ganhar a féria do dia descarregando-os. A que fazemos não é uma roda na rua. Outras rodas acontecem neste dia na rua! Elas também são importantes. A parte espiritual desta festa, a cada ano ganha um carater especial para nós, graças a importante colaboração do Taata Kwa Nkisse Mutá Ymê que zela por todos e pelo grupo. Com entrega de presentes no dique de água doce e no mar de água salgada. Tudo perfeito!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Quarta Roda

A quarta roda aconteceu na véspera de um dos nossos grandes eventos anuais: o 2 de Fevereiro, dia de festa no mar. O dia de Dandalunda, de Kaitumbá ou Yemanjá. Portanto, já com as presenças dos nzingueiros de outros núcleos que tanto abrilhantam esses encontros. A roda foi totalmente linda! Cheia de convidados e de vibrações positivas. No facebook, postei muitas fotos deste dia. No dia anterior, na quinta feira, 31 de janeiro, foi o dia que fizemos as oferendas para Mameto Dandá e Mameto Kissimbi. Primeiro entregamos a de kissimbi no dique do Tororó. Depois viemos para o mar entregar a de Dandalunda. O Taata Mutá Ymê liderou os preceitos religiosos. Foi uma outra passagem linda de nossas caminhadas. AWETO!

sábado, 26 de janeiro de 2013

Terceira Roda

A nossa terceira roda foi novamente cheia de "black vibe". Apesar de eu ser super suspeito para falar, não sou homem de mentiras e nem gosto de "pabulagem", verdade é meu documento, não gosto de contar vantagem. Foi a maior vibração boa! Acabou, mas a vontade era de continuar por mais tempo. As presenças de Jorge e Anna Alice (Zimba) com seu filhos maravilhosos, Juca e Luiza Mariá, como na semana passada, foram novamente os destaques da noite. O nzingueiro cria da casa, Antonio Telles, que havia faltado as duas primeiras rodas, esteve presente e fez tambem a diferença. O brilho que as mestras Janja e Paulinha  dão a qualquer roda em que estejam presentes nem precisa ser citado. Pois, em suma, foi mais um dia feliz no terreiro nzingueiro. E assim a gente vai construindo uma história de amor e resistencia cotidiana na capoeiragem! Ngunzo!  

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Dança Dançante!

Como acontece já há vários verões seguidos, começaram hoje no Grupo Nzinga as aulas de dança de Nkisses e de Orixás ministradas pelo  Taata Mutá Imê. Este ano o curso de dança terá outro formato: será em 3 fases e acontecerá numa terça, quinta e sábado de Janeiro, de Fevereiro e de Março. Ao todo, serão 9 encontros. Cada bloco de três aulas compõe uma fase. A primeira fase acontecerá nos dias 22 (hoje), 24 (quinta) e 26 (sábado). Varias pessoas, com interesses distintos, estiveram lá hoje. A musica percussiva esteve por conta dos Xicarangomas Leo e Fábio, auxiliados pelos jovens Janete Barros, Bruna Ferreira, Lucas Costa e com a participação da Contra-mestre Alcione, mineira que estava hoje nos visitando. Foi sem dúvida um lindo começo da dançante temporada. Ao mesmo tempo em que se afunilam os preparativos para o dia da festa no mar.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Segunda roda!

A segunda roda do ano foi cheia de energia, de novo! Muitas visitas na assistencia e muitas presenças no jogo. Os instrumentos falando alto e boa resposta do coro criam um ambiente perfeito para coisas boas acontecerem em sintonia com o "Cosmos".  A Mandinga flui mais fácil! Luiza Mariá e Juca, filha e filho de Jorge do Zimba, foram as presenças a serem destacadas nesta roda. Claro que outros abrilhantaram  tambem o encontro, como o Tiago da Ceca, Tatu do Filhos de Angola, André do Zimba.  As nossas jovens Janete Barros e Bruna Ferreira, que estão no Nzinga desde que chegamos no Alto da Sereia há 8 anos atrás também merecem ser citadas como exemplo de sementes que estão sendo cultivadas com muito carinho, e que demonstram estarem passando de "fase".  Antonio Telles apesar de não ter estado nesta roda, também é uma dessas crias. Sementes de uma cabaça que foi aberta e que foram espalhadas pelos caminhos da vida, das nossas vidas! Sabemos que apesar dos cuidados, infelizmente nem todas elas germinam.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Colina Sagrada

Amanhã é o dia da festa do Bonfim! Normalmente essa festa acontece sempre na segunda Quinta feira de Janeiro. Excepcionalmente essa de amanhã acontecerá na terceira Quinta de Janeiro. Não sei explicar o porque. O fato é que vai rolar talvez a maior das festas de largo da cidade do Salvador. Vamos estar lá somando mais um! O ponto de encontro é na frente do Elevador Lacerda, embaixo da grande arvore.Epá Babá!

sábado, 12 de janeiro de 2013

Primeira roda de 2013

Ontem, dia 11/01, realizamos a nossa primeira roda do ano e, sem duvidas, começamos com o "pé direito". Muitos amigos e amigas capoeiristas e muitos visitantes estiveram presentes. Gente da Fica, do Zimba, do Mutalambô e independentes. Estava planejado uma mesa de frutas para o final e assim aconteceu. Bom demais! Roupas brancas foram predominantes. Um  bom axé para começar! 

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

As ultimas rodas do ano 2012

Desde o início do ano de 2012 eu vinha fazendo pequenos relatos das rodas de capoeira do Nzinga. Desde a de numero 36, ocorrida no dia 26 de outubro, que eu estava sem cumprir essa função. Pois bem, agora vou tentar fazer um resumo do que foram essas ultimas rodas do ano. A de numero 37 aconteceu no dia 09 de novembro, e estávamos entrando no clima do evento Malungos: 30 anos de Capoeira Angola que aconteceria um mês depois. Sem muitas badalações! Na semana seguinte não realizamos roda, pois eu e as mestras Janja e Paulinha viajamos para São Paulo para a festa do Grupo Cupuaçú com a "Morte do Boi"e para tambem confraternizar com o nosso amigo de coração Tião Carvalho, que havia escapado do pior por causa de uma violenta malaria adquirida na Quiné Bissau (África) alguns dias antes. A roda de numero 38 foi no dia 23 / 11, e aconteceu sem maiores destaques, exceto pela expectativa da aproximação do evento "Malungos". Registro apenas as visitas do contra-mestre Édson do Grupo Africanamente e de Paulo Magalhães da Acanne.  A roda de numero 39 foi no dia 30 de novembro. Essa sim, já estávamos totalmente envolvidos pelo clima de festa e contamos inclusive com a super presença do mestre Valmir, que foi lá para, entre outras coisas, definir os ultimos detalhes do evento Malungos. A roda 40, já foi a própria roda deste evento no dia 8 de dezembro, num sabado, pois na sexta havia sido a entrega dos Títulos de Cidadãos Soteropolitanos que eu e as mestras Paulinha e Janja recebemos na Camara Municipal de Salvador com dezenas de convidados e participantes. Nesta roda do dia 8/12 tivemos as  presenças maciças do Nzinga de São Paulo e das várias representações da Fica. Depois postarei  exclusivamente sobre este evento. A roda 41 foi ainda com algumas presenças tanto do Nzinga Sampa quanto da Fica no dia 14/12. E para finalizar o ano, realizamos especialmente a nossa ultima roda no dia 19/12, a de numero 42,  numa quarta feira, com uma confraterniação com frutas, bolos e vinhos. Neste dia tambem comemoramos o aniversario do Treinel Anderson Barba Ruiva. Foi um dia muito festivo e alegre. Foi um ano muito bom para nós nzingueiros! Ngunzo!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

36

A trigésima sexta roda do ano aconteceu na base do espirito guerreiro, da resistencia. Estávamos com poucas pessoas, de modo a termos que nos revesar nos instrumentos. Tava rolando roda. Da avenida oceanica, que passa bem embaixo dos janelões do Nzinga, dá para ouvir muito bem o som da  musica dos nossos instrumentos. Cinco jovens que iam passando por esta avenida, foram atraidos pelo som dos berimbaus. Chegando lá em cima, colocaram a cabeça na porta para dar uma pequena olhadela no que acontecia ali. Logo os convidei para entrarem e sentarem. Fizeram isso, mas 5 minutos depois ja estavam sentados na roda. Eram cinco adolescentes negros que praticavam capoeira regional. Entraram, jogaram e deram um gás legal em nossa roda que já se encaminhava para o fim. Foram convidados a voltar um outro dia.  Partiram tão de repente quanto chegaram. Deixaram as suas vibrações positivas! Aweto!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

35

A trigésima quinta roda aconteceu de maneira tranquila. Começamos com poucas pessoas, inclusive duas visitas, e só então foram chegando os retardatários. Eu e as mestras Janja e Paulinha, pudemos nos revezar no canto e nas outras funções. Naquela sexta, marcamos prá comemorar o aniversario de 15 anos de Antonio Telles, que havia ocorrido de fato na quarta feira, 17/10. Este jovem já é nzingueiro desde os 8 anos. Tenho visto, na prática e na teoria, o crescimento de um discípulo, de uma pessoa. Imaginem como é difícil um processo de aprendizagem que não tem dia e nem hora certa de acabar. Na escola formal a gente sabe exatamente quantos anos terá pela frente até a sua  conclusão. Na universidade, idem... mas na capoeira angola não existe a possibilidade de prevermos de quando será o dia em que estaremos “prontos”. Na escola formal basta que o aluno atinja determinada “nota”ou média, e ele estará automaticamente aprovado para a fase seguinte. Na capoeira, isso é um pouco mais complexo. Não basta apenas saber jogar o jogo. Existem fundamentos que tem que ser assimilados e uma relação de confiança entre mestre e discípulo deverá ser construída, pois muito provavelmente ela será para toda a vida. Isso não acontece na escola formal, pois depois que o aluno consegue a sua nota ou média, ele não necessariamente terá que continuar se relacionando com o seu antigo professor.
Pois é, Antônio está crescido e temos ainda muitos movimentos e valores a lhe ensinar para colaborar com a sua formação como cidadão e como capoeirista. De certo que a minha grande torcida é que ele continue conosco, pertencendo ao mundo angoleiro, porque por outro lado, a Vida, o "sistema bruto", na crueldade banal do cotidiano, pode sugerir-lhe caminhos estranhos. Isso ja ví acontecer com muitos outros "antônios".

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Dia das Crianças

Hoje, dia 12 de outubro, iremos comemorar o dia das crianças no Nzinga com um rol de atividades. Num primeiro momento, teremos um Festival de Talentos, onde as crianças e jovens poderão apresentar alguma performance artística. Os que fizerem isso acontecer, ganharão lembrancinhas, presentes, doados pelo Nzinga São Paulo. Não temos condições de oferecer presentes a todas as crianças do Alto da Sereia. Se aparecerem mais crianças do que esperamos, faremos um arranjo quando os presentes começarem a escassearem.  As pessoas que quiserem contribuir com o nosso trabalho, podem a qualquer momento e ocasião, fazer doações de qualquer tipo, sejam sapatos, camisetas, brinquedos e até dinheiro. As necessidades são cotidianas. Tudo que nos for doado será bem vindo! Ao chegarem no Nzinga, tem crianças que me confidenciam que estão com fome. Infelizmente, com esse tipo de coisa não podemos arcar. No máximo, oferecemos amor e respeito, a pipoca na sessão do Cine Sereia com mais frequencia e as comidas que oferecemos em nossas festas, que são muitas num ano. Amanhã, vamos projetar o filme “A Era do Gelo IV”. Geralmente, oferecemos as camisetas aos que que acenam interesse em participar do grupo. Fora isso, passeios e visitas a museus e ao Pelourinho são mais ou menos comuns. 

sábado, 6 de outubro de 2012

34 e Parabéns!

Ontem rolou a trigésima quarta roda do ano. Essa foi realmente especial! Estávamos celebrando mais um aninho de vida da mestra Janja. As mestras juntas, eu também... a vibração estava boa novamente! Por coincidência, havia uma equipe de filmagem da empresa Itinerante Filmes gravando a roda para futuro dvd educativo que circulará em algumas escolas de São Paulo. O jogo que abriu a roda foi entre Ritinha, 7 anos e João Manoel, 6 anos. Vou falar prá voces: foi o melhor jogo da noite. Sim, ambos se superaram naquela hora. Fiquei muito contente de vê-los fazer isso. Eles superaram não somente os seus próprios limites, mas os meus também. Surpreenderam a todos que lá estavam e que os conhecem. Foi uma típica passagem de “fase”. Passaram para o nível imediatamente superior. Isso foi claro! O legal é que todos puderam expressar para a dupla, a alegria que estavamos sentindo pelo sucesso dos dois, e eles ficaram felizes. Foi um jogo inspirador, como deveriam ser todos os jogos que abrem rodas de capoeira pelo mundo afora. Depois da roda, cantamos "Parabens prá Voce” prá mestra Janja e ensaiamos pequenos passos de samba, principalmente por parte do nêgo dito, João Manoel. Ai veio a parte mais gostosa que foi repartir o bolo e beber os sucos e refrigerantes. A fotógrafa Rita Barreto estava lá cobrindo mais uma página da nossa historia na capoeiragem. Em breve, fotos no Facebook no perfil Poloca Barreto.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

33

Acabei de chegar do Alto da Sereia. Hoje realizamos a trigésima terceira roda do ano. Desde ontem em Salvador, está fazendo um frio danado! Os ventos estão soprando mais fortes do que de costume. Ontem, 27, dia de Cosme e Damião, o tempo mudou logo cedo e começou a chover com a temperatura bem abaixo do normal. Mesmo assim foi possivel sair a noite para comer um carurú de preceito. Inclusive com visita do próprio  Erê. Hoje, fizemos a roda com menos gente do que de costume. Tivemos visitas do Grupo Zimba e da Fica. Ao sairmos da roda, fomos em mais um carurú. Aniversario de uma criança de 1 ano. Fomos muito bem recebidos e atendidos. O numero de crianças foi grande e ficamos na folia até a pouco tempo atras. VIVA OS VUNJIS! VIVA OS ERÊS!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Trigésima Segunda Roda 2012

Essa roda foi muito boa! Primeiro pelo fato de estarmos os 3 mestres juntos. Isso por sí só, já dá um tom diferente. Juntos, somos 90 anos de capoeira! Foi resistencia! Cantamos, tocamos, jogamos, educamos e ficamos bem no final. Na descida, paramos no isopor da pizza e do quaraná de Bebê, irmão de Leo, e da amiga Mariane. Foi animada a reunião! Imaginem que essa hora é valiosa! 

LÁGRIMAS!

Estes dias perdemos uma amiga querida e todos nós, os amigos e amigas, choramos juntos. Nos momentos da tristeza, é normal chorarmos. Na ultima olimpíada, vi muitos atletas chorando de alegria quando recebiam as suas medalhas. Então, fiquei pensando na lágrima. Se seriam mais salgadas as lágrimas da tristeza ou da alegria? Ja que também choramos quando rimos. Depois me lembrei da “lágrima de crocodilo”, aquela que escorre apenas por um dos olhos, e que dizem por ai que é a lágrima de falsidade. Existe aquela lágrima de sono ou de quando bocejamos. Tem aquela outra de quando olhamos para o sol e os olhos marejam. Quando engasgamos, nossos olhos tambem deixam escapar algumas delas. A lágrima da dor, depois de uma pancada forte, por exemplo, pôde ser lembrada. Será que tem muito mais tipos de lágrimas além dessas que citei? Qual delas seria a mais salgada? E o sal de cada uma, será que poderia ser usado no preparo de porções mágicas? Será que o sal oriundo da lágrima da alegria serviria para temperar a comida de uma pessoa e acabar com a sua tristeza? Será que o sal da lágrima do sono acabaria com a insonia de alguem? Para falar a verdade, gosto mesmo é do sal do mar que tempera o meu viver!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

31

A trigésima primeira roda foi na sexta, 14, e foi também interessante pelo fato de ter mantido uma boa pulsação o tempo todo. O Ritmo estava bom! Parece que a combinação deu certo, de maneira que as coisas fluíram de um modo simples, mas mágico. Cada um deve saber o seu lugar e assumi-lo na hora da definição de quem comporá a bateria. Quem toca o que? Poucos são os que podem “segurar" o gunga com a qualidade que os mestres necessitam para mostrar os seus melhores jogos. Outra dificuldade é quem vai “segurar” o atabaque. Se a gente perguntar a algumas pessoas se elas sabem tocar o atabaque, vão dizer que sabem, mas  na hora que começa a ladainha, descobrimos que não tem o “pique”. Sabem fazer o "TÁTÁ  TUM  TÁ", mas não tem ritmo, vibração e pulsação. Falta  “pegada”. Nesta roda, não faltou nada disso! Sem falar que uma boa ladainha, chula e depois uma seqüência inspiradora de corridos pode fazer toda a diferença, e fez. Jogos desenvoltos e criativos, ora na sintonia da viola, ora na batida do gunga. Em outras palavras, saímos da roda melhores do que quando entramos! Iê,Viva meu Deus!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Triste Partida!

Ontem, dia 12 de setembro, foi um dia triste para nós da comunidade do Alto da Sereia, pois perdemos neste dia uma pessoa bastante querida e importante parceira do Grupo Nzinga, vitimada por um AVC. O nome dela era Janice mas todo mundo a chamava de “NÊGA”. Ela era mãe de Iolanda e tia de Leo e Bebê. Sempre foi uma incentivadora da participação dos jovens na capoeira. Dentro da comunidade do Alto da Sereia, ela morava num “gueto” chamado de “Corea”, onde também moram as jovens Janete e Bruna, que dos adolescentes são as com mais tempo no Nzinga, 7 anos. O povo de santo da casa que ela fazia parte na Ilha de Itaparica veio em grande numero e, na hora do sepultamento, causou grande emoção a hora em que foram entoados os canticos para a sua despedida. Ela aparece de maneira destacada no video chamado “Jogo capoeira no Alto da Sereia”. concebido pelo nzingueiro Jon Lewis. 

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Trigésima roda do ano

A trigésima roda aconteceu no ultimo dia 31 de agosto. Foi inteiramente doméstica. Só tínhamos nós “nzingueiros”! Eu e Paulinha começamos nos berimbaus e depois apenas eu girei o mundo na roda da capoeira. Dá prá ver de maneira mais clara o grau de crescimento de cada um e, de todos no conjunto da obra. Hoje não teremos roda em virtude do feriado da “Independencia do Brasil”. 
Alguns adolescentes por causa da fase, tem deixado de cantar em virtude das variações de tons que as suas vozes apresentam, exceto o jovem Antonio Telles Neves, que tem dado mostras de que é  possível sobreviver e até renascer durante a adolescencia. Será que é porque Santo Antonio protege a barquinha de Noé? Deve ser... Vixe!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Fazendo a diferença

Quando estamos esperando o transporte que nos conduz aos compromissos culturais que temos assumido principalmente com a Orquestra Nzinga de Berimbaus, a gente fica fazendo o guarnicê em  frente do prédio, num banco de concreto que tem embaixo de uma pequena árvore, na altura do primeiro degrau da rua Alto da Sereia, próximo ao asfalto da avenida oceanica. A aglomeração chama a atenção das pessoas que a todo momento sobem e descem o morro, porque estamos com a indumentária amarela e preto  ou todos estamos usando roupa branca, às vezes é ao toque do arco musical, atabaque e pandeiro. Muitas pessoas já sabem dos nossos agitos e, outras podem visualizar um pouco do que estamos fazendo ao nos ver saindo “vestidos”em um carro grande. Muitas vezes esse é o momento de conversar e atualizar as noticias em relação às propostas e idéias. E assim, a gente vai tentando fazer a diferença.     


terça-feira, 28 de agosto de 2012

Força Estranha

Meu aniversário passou no ultimo dia 18 de agosto. Neste dia, o Grupo Nzinga completou 7 anos na comunidade do Alto da Sereia. Novamente a presença marcante mesmo foi  a das crianças do morro. Muitas, inclusive as que não tem a capoeira como atividade regular querendo participar da roda. Daí, num só momento, foi necessário ensinar, educar e instruir as crianças ávidas por conhecimento e atenção! Até aí nada de diferente do normal, mas o fato legal foi que tinham vários pais e mães na mesma cena, e eles puderam ter uma rápida noção da labuta diaria que enfrentamos lá no decorrer desses ultimos anos. Isso parece pequeno, mas reforça a moral e reconhecimento que já temos por parte dos moradores da comunidade. Na verdade virou uma aula publica para aquela turminha de crianças que no futuro podem vir a ser "crianças nzingueiras". Quando este ano pensei em confraternizar com a comunidade o meu aniversário, pensava somente em jogar a roda e depois tomar umas “águas” com os amigos  de lá.  Nem pensei que teríamos aquele momento tão nosso... Desta vez, a força mostrada não foi a do conjunto da roda de capoeira, e sim a força da dedicação e resistencia.

domingo, 26 de agosto de 2012

Vigésima Nona Roda

A vigésima nona roda de capoeira do ano no Grupo Nzinga de Capoeira Angola foi uma daquelas que, como anteriormente já me referi como sendo “heróica”. Como neste período em Salvador podemos ter duas estações no mesmo dia, na sexta feira passada foi assim. Até a metade do dia, fez um dia lindo de fazer inveja a qualquer um no verão, mas a tarde o tempo fechou e choveu copiosamente bem até a noite, como num bom inverno. Isso, dificultou bastante o transito das  pessoas de modo que além dos 8 para tocar os instrumentos, tínhamos duas duplas na sobra e sendo que uma delas estava completando o seu primeiro mês na capoeira.  A mestra Paulinha tocou mais uma vez a sua viola cheia de arengue...Num dia como aquele, quando parece improvável que alguem vá, os poucos que vão devem ser valorizados.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

7 anos no Alto

No sábado passado, dia 18/08, foi o meu aniversário e este ano abri mão de uma festa num salão para experimentar um encontro com amigos e amigas nos becos do Alto da Sereia, bem no alto. Foi uma festa! Uma humilde roda de capoeira composta majoritáriamente pelas crianças da própria comunidade teve inicio. Pelo fato de varias delas não serem propriamente componentes do Nzinga, a tarefa não foi a das mais fáceis, descambando primeiro para uma aula de rua para as crianças, para depois chegarmos à fase da roda, que rolou legal, com varios desses entrando e jogando tambem. Varios pais e mães que não tinham tido a oportunidade de ver as crianças praticando a capoeira, puderam ter uma noção do trabalho que estamos fazendo lá já há 7 anos, completados exatamente no dia supra citado.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Pensamento Crítico

Na sexta feira passada, 17/agosto, não realizamos a roda de capoeira no Grupo Nzinga em virtude de compromissos externos. Como divulguei amplamente no facebook, fizemos uma apresentação da Orquestra Nzinga de Berimbaus no encerramento do Fórum  do Pensamento Crítico - Cidades & Patrimonio, promovido pelo IPAC (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural) , que aconteceu na antiga Faculdade de Medicina que fica no Terreiro de Jesus. O nosso projeto da orquestra tem sido uma importante vertente do trabalho do Nzinga, pois reforça necessidade de todos aprenderem a tocar cada vez melhor o principal instrumento da capoeira, o berimbau. Além de propiciar a participação de maior número de jovens e adultos numa atividade artística sem que necessariamente sejam capoeiristas, criando ainda a possibilidade de interação com outros tipos de manifestações da nossa cultura, como o frevo, maracatu, toada do Bumba meu Boi, funk, samba, reggae e o baião. 

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Me, Myself and I

Hoje não vim aqui para escrever ou para conversar. Quero ficar mudo e em silencio. Me encontro em estado de guerra interior, pelejando contra "Me, myself and I”. Espero sair vencedor! Com certeza, esses são os meus melhores e maiores inimigos. Em qualquer guerra, sempre se quer sair vencedor, mesmo que tenhamos que arcar com os seus prejuizos, que as vezes são maiores que os louros da vitória. Neste caso, ao decretar o fim de algum desses mestres inimigos, um novo olhar se abrirá para uma nova vida! Lógico que é possível um acordo entre as partes, que é outra forma de se dar fim a uma guerra. Vou ficar quieto e calado e ver o que acontecerá. Só sei que não haverá extermínio mútuo e amigável.  Meu pai é caçador e o meu instinto de sobrevivencia é grande.

sábado, 11 de agosto de 2012

Vigésima oitava

Ontem aconteceu a nossa vigésima oitava roda de capoeira do ano. Como algo destacável, tivemos as presenças de Vitoria e Paul, que moram em Londres e estão aqui para visitarem a cidade, ao mesmo tempo em que estão promovendo um almoço em uma chácara em Jauá, que reúne a geração de capoeiristas que fazem ou fizeram parte da Fundação Internacional de Capoeira Angola (FICA) na década de 90, quando foi fundada Pelos mestres Cobra Mansa, Valmir e Jurandir. Sem dúvida, um encontro memorável de camaradas. Na próxima semana não teremos a nossa roda porque estaremos apresentando um pequeno show na Faculdade de Medicina, onde estaremos mostrando a nossa orquestra de berimbaus. Evento contratado pelo IPAC no Dia do Patrimônio. No sábado, dia 18, estarei comemorando meu aniversario com uma roda de capoeira no Alto da Sereia, às 16:00 hs. O uso de uniforme será facultativo aos capoeiristas.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Agitos


Essas ultimas semanas tem sido de muitas ações e agitações na cena cultural soteropolitana. A Orquestra Nzinga de Berimbaus tem tido uma agenda intensa, apresentando-se em lugares diversificados: museu, praça, biblioteca e escola, além das apresentações no próprio Grupo Nzinga. Aumentou o numero de crianças participando do trabalho com a capoeira. Novas crianças, velhas tarefas. E assim caminha a humanidade...
Novos integrantes adultos completam o clima de renovação ratificando a importancia e a presença dos que ficaram no decorrer do tempo. Uma bom sinal para um ano que marca as celebrações do nossos 30 anos de capoeiragem.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Vigésima Sétima

A vigésima sétima roda rolou leve e solta. Recebemos naquele dia varias visitas, umas para jogar a roda e, outras apenas para assisti-la. As mestras estavam juntas. Muitas nzingueiras estão soltando as “juntas” e o jogo também. Foi como um bálsamo para o espírito. Muitas crianças que sempre flutuaram pelo nosso salão, começam a criar  raiz em nosso chão. Fruto de um processo longo, lento e difícil de educação. Paciência tem sido uma virtude valorizada no nosso dia a dia.

domingo, 5 de agosto de 2012

Luz no Solar!

Ainda como uma extensão da exposição do fotografo do André Cypriano, da qual  a Orquestra Nzinga de Berimbaus fez a cerimonia de abertura há uns 20 dias atrás no Solar Ferrão - Pelourinho - realizamos ainda 5 dias de workshops com estudantes da Escola Municipal Vivaldo da Costa Lima . Eram crianças e jovens com idades entre 8 e 17, pertencentes a varias séries diferentes. Foi uma experiencia legal. O objetivo não era ensinar capoeira, mas sim de passar ideias e conceitos, além de localizar no tempo e no espaço a origem e trajetoria da capoeira no Brasil. A diretora do Solar Ferrão esteve com a gente no dia do encerramento agradecendo  em nome do Setor Educativo, responsavel pela ação. A senhora Monica, representando a produtora da exposição fotográfica tambem falou e agradeceu a interação que aconteceu nos 5 dias em que estivemos trabalhando juntos. A representante da escola esteve conosco todos os dias em que nos encontramos. Vale destacar que grande numero desses estudantes também são alunos de capoeira da mestra Jararaca. A maioria são moradores do Pelourinho e adjacencias. 

terça-feira, 31 de julho de 2012

Vigésima sexta roda

A nossa ultima roda, na sexta feira passada, foi ainda movida pelas vibrações positivas da grande roda do evento de 30 anos acontecida na semana anterior, quando aqui estavam muitas pessoas dos Nzingas São Paulo, de Brasília e de Maputo. Estavam ainda aqui na soterópolis e puderam participar da nossa vigésima sexta roda, a Ana Flor e o Daniel +. A roda corria tranquila, leve e solta, como são sempre as nossas rodas, até que uma capoeirista  visitante ao fazer um movimento de queda de rim, não conseguiu segurar seu próprio peso e o seu corpo virou por cima de sua mão, causando uma luxação no dedo mindinho. A roda foi interrompida para que as providencias fossem tomadas. Depois disso, os animos esfriaram,  ao mesmo tempo em que a roda seguiu para o seu final.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Sou Nzingueiro!

Ao reunirmos tantos Nzingueiros num só momento, num só local, é de supormos que as “trocas e emoções” serão intensas. E assim foram! Mesmo com alternativas disponíveis, preferiram ficar juntos. Quase todos puderam desfrutar das maravilhas da vivencia no Alto da Sereia. Puderam perceber o quanto o Nzinga está na comunidade e vice-versa. A fusão tem sido notável. No próximo mês de agosto, essa relação com o Alto da Sereia completará 7 anos. Por acaso será no mesmo dia do meu aniversário, dia 18 de agosto.  Cada vez mais altossereinses reconhecem o valor de nossa dedicação e carinho com a capoeira e com as crianças de lá! Quando chego para estacionar o carro na pracinha, o flanelinha vem me dizer que eu não vou precisar pagar nada pelo estacionamento e que ninguém vai encostar no meu carro. Ontem, estava a tomar uma cerveja na Vila Matos e surgiu um homem se dizendo avô de uma criança que faz capoeira no Nzinga e fez questão de me pagar uma “breja”, dizendo que aquilo era o minimo que podia fazer em reconhecimento ao nosso trabalho. Enquanto bebíamos a breja, lhe disse que a melhor forma de ajudar e nos retribuir era continuar orientando a sua neta a frequentar o Nzinga nos dias e hora das aulas. Aliás, essa já uma idéia mais ou menos difundida na comunidade. Sei que algumas crianças não estão na capoeira simplesmente por que não tem ninguém da familia para dar-lhes a sugestão na hora e dias certos. Às vezes, para quebrarmos o um ciclo, basta fazer o certo na hora certa! O dificil é saber qual hora é a certa! A ação constante deve ser valorizada para criar as oportunidades. O detalhe é que às vezes, uma simples coisa que deve ser feita, muda o futuro de uma pessoa e de uma familia

sábado, 28 de julho de 2012

Novos “Suspensos"

No evento de 30 anos, acontecido no ultimo fim de semana, o Grupo Nzinga de Capoeira Angola fez mais dois treinéis: Sway, que tem a sua trajetória ligada ao núcleo do Nzinga Brasília desde a sua fundação em 2001. E Limaverde, coordenador do núcleo Nzinga em Maputo (Moçambique)desde a sua criação em 2006. Agora o staff nzingueiro está composto por:
MESTRES: Poloca, Janja e Paulinha
CONTRA-MESTRES: Daniel e Piter
TREINÉIS: Haroldo, Anderson Barba Ruiva, Limaverde e Sway 
O que espero é que os novos “suspensos” confirmem com trabalho, compromisso, lealdade e dedicação as expectativas inerentes às suas novas funções dentro da organização do nosso Grupo. 

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Vigésima Quinta roda

A vigésima quinta roda foi a roda do grande evento preparado por nossos discípulos para as celebrações dos nossos 30 anos de capoeiragem. O mestre Valmir, da Fica e o Taata Mutá Ymê foram as presenças marcantes naquele dia. Estavam lá ainda as crianças do grupo Zimba/Bate Facho. Foi nesta roda que foram feitos mais dois Treinéis:o Sway do núcleo BSB e o Limaverde do núcleo de Maputo. Foi uma roda daquelas que nunca mais se esquece. Foi linda e cheia de vibrações positivas. AWETO!

Vigésima Quarta roda

Essa roda caiu numa sexta feira 13. Particularmente tenho simpatia por esses dias. A roda foi muito boa! O numero de integrantes e participantes tem sido grande e isso por si só já joga prá cima a vibração da roda. Tínhamos como estimulo o fato de estarmos a uma semana do evento de comemoração dos 30 anos de capoeiragem da gente. Fizemos tipo um ensaio geral com as “parelhas” de berimbaus a serem utilizados na semana seguinte quando receberíamos a galera dos Nzingas de São Paulo, Brasília e Maputo. Foi legal!

30 anos de Capoeiragem

Desde o começo deste ano, estou celebrando os meus 30 anos de capoeiragem. Foram realizados vários pequenos eventos, em diversos locais. Em março estive em São Paulo, no evento “Chamada de Mulher II”. Em maio, estive em Brasília no evento “Vivencia de Capoeira Angola”. Neste mesmo período, estive em Varsóvia (Polonia) e em Marburg (Alemanha) para mais “vivencias” de capoeira. Em todos esses encontros, a idéia de celebrar os 30 anos sempre foi a motivação principal. O Moto-continuo é infinito! A dinamica é intensa e as mudanças na percepção das coisas e sentido de outras é constante. A Kapanga já está com o seu fundo coberto pelas conquistas dessas 3 últimas décadas. Nas próximas 3, espero enche-la até o meio. E se os Nkisses permitirem, quem sabe até enche-la um pouco mais depois disso. Tempo Zará Tempo!