Rede Abelha

Loading...

Videos Angoleiros

Loading...

sábado, 29 de maio de 2010

Discipulo que aprende?

No inicio deste ano, um dos mais tradicionais grupos de capoeira angola de Salvador, e portanto, um dos mais importantes do mundo, o Grupo de Capoeira Angola Pelourinho realizou evento para, entre outras coisas, lançar mais um cd com os canticos tradicionais da capoeira angola, na voz do mestre Moraes, que no ultimos anos vinha sendo o unico mestre do grupo. Digo isso por que durante este evento, um de seus alunos de nacionalidade japonesa, foi "feito" mestre. Lembro-me que naqueles dias, a comunidade capoeiristica baiana ficou um tanto quanto perplexa pelo fato do rapaz ser um "estrangeiro". Fato que na minha opinião não se reveste de nenhuma anormalidade, pois a partir do momento em que esse e muitos outros mestres se propôem a ter nucleos de seus grupos no exterior, é porque tem consciencia da semente que podem plantar. Ninguem semeia pensando nas sementes que não irão vingar. E essa vingou! Parabens a ele e ao mestre que o ensinou. É claro que esse jovem japones carrega uma responsabilidade enorme em suas costas, ja que é um dos rarissimos mestres formados por este tradicional grupo de capoeira. Eu não o vi jogando para emitir opinião sobre o seu jogo, portanto deixo essa tarefa para quem teve esse previlegio. Se pensar na qualidade de outros mestres formados por aquele que o formou, é claro que a expectativa é positiva.  É cada vez maior o numero de capoeristas estrangeiros assumindo cargos dentro de grupos de capoeira mundo afora. O mestre João Grande certa vez disse que a capoeira era de quem queria aprender... 
Isso hoje em dia é coisa normal, mas quando comecei na capoeira no inicio da decada de 80, uma ideia como essa parecia coisa intangivel. Penso nas palavras do velho Pastinha: "A capoeira está para todo mundo, mas nem todo mundo está para a capoeira", para lembrar de quantas pessoas talentosas vi entrar na capoeira e passarem como um verdadeiro furacão, deixando ao sairem, a clara sensação do desperdicio que era uma pessoa como aquela não ter ficado para sempre no mundo da capoeira. A roda da vida tratou de puxa-las para outros lados, em nome de todos os motivos. Com muitas pessoas vi acontecer isso. Uma pena! Mas, por outro lado, alguns sempre ficam, por todos os motivos. E a historia é escrita por esses...

domingo, 23 de maio de 2010

IÊ, Viva meu mestre!

O Cine Sereia, em sua sexta sessão, no dia 14 de maio apresentou os curtas "Iê, Viva meu mestre!" e  "Orquestrinha de Berimbaus". O primeiro, faz parte da apresentação da tese de doutoramento da M. Janja, e mostra os meninos do Nzinga São Paulo falando de Raça e contando sobre Zumbi e a rainha Nzinga. O segundo mostra esses mesmos jovens num dia de apresentação no Morro do Querosene, em dia de festa do Bumba meu Boi. Ambos foram produzidos pela Itinerante Filmes, da nossa querida treinel Manoela. Naquele dia, estavamos recebendo a visita de 28 futuros cineclubistas contemplados pelo edital destinado à cidades com até 20 000 habitantes. Estavam em Salvador fazendo o curso de capacitação de cineclubismo, o mesmo que no ano passado eu e Fabiana fizemos. Uma das atividades do curso seria uma visita a um cineclube em funcionamento e o Cine Sereia foi  escolhido por Sergio Zumbi, monitor do cine+cultura, e Gleciara que ministra os cursos. Chegaram lá cedo, e puderam observar os preparativos. Enquanto a segunda turma de cineclubistas não chegava, comecei a dar uma de animador da festa. Como ja havia feito em sessões anteriores,  fui chamando algumas crianças para fazer apresentações artisticas. As pequenas Adriana e Amanda foram as primeiras a se candidatarem para o show. Depois Adelmo Kirikou cantou a musica do Lobo mal, levando a plateia ao delirio. Aí chega o restante da turma e após rapidas palavras de boas vindas, demos inicio à sessão. Foi o nosso maior publico, 70 pessoas. Mais uma vez, as presença maciça das crianças foi marcante. Começamos assistindo ao filminho da orquestra na festa do Bumba meu Boi, comandada pelo grande Tião carvalho. Impossivel não sentir saudades dos tempos em que morei em São Paulo, entre os anos de 1998-2002. Ver aquele protogonismo juvenil é estimulante. Depois assistimos ao "Iê, viva meu mestre". Foi sucesso total! A Galera gostou muito dos depoimentos das nossas crianças. O debate aconteceu, e os depoimentos das pessoas presentes foram muito importantes. Teve gente bastante emocionada por ter vivenciado a experiencia e visto como é facil fazer acontecer, quando se tem prazer e o compromisso de fazer isto. Neste dia, estavam lá a Elaine, o marido, que tambem tocam um cineclube, e o filho Bruno. Conheci os 3 na epoca do curso de cineclubismo em julho do ano passado. O Bruno estava com uma inflamação que o impedia de andar. Se deslocava com cadeira de rodas. Vê-lo subir os 3 andares do Nzinga correndo naquele dia, foi sem duvida nenhuma uma coisa muita especial. Cumprindo um ritual tradicional do movimento cineclubista, repassamos copias dos filmes exibidos para os outros cineclubes. Na quinta feira proxima passada, exibimos em nossa setima sessão, o filme brasileiro "Lisbela e o Prisioneiro". Demos muitas risadas, mas foi uma sessão morna. Com excessão de Mateo da AMAS, toda a plateia era formada por crianças e jovens. Penso que a oportunidade de se expressar é cada vez mais percebida  pelas crianças como um momento de pertencimento do grupo, do cine e da comunidade. Algumas ainda estão um pouco timidas, outras conseguem dar show de dança e de canto antes de cada sessão.     

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Trabalho de Classe!

 Na sexta feira, dia 7 de maio de 2010, fui chamado por estudantes da faculdade de Educação da UFBa para participar de uma atividade em sala de aula. Me convidaram e aceitei por que tenho interesse em falar para aquela plateia atras da plateia. Futuros professores! Se temos professores, pensemos em crianças então. Para alem da valorização do aspecto da oralidade, tema que aquela disciplina tambem se atinha, além do aspecto da estetica, me senti como numa aula de capoeira, falando para discipulos meus. Seria uma participação discreta e rapida. Pois então, na chegada, eu pontual e a classe nem tanto. Esperei um pouco enquanto chegavam lentamente, inclusive o professor, que afinal, era meu amigo das antigas. Os alunos já acharam engraçado aquele encontro inesperado e efusivo. Beleza! O terreiro era nosso! Ai ficou facil para mim e a minha equipe sagrada. Contei, cantei, toquei, joguei e ensinei e, no que fiz isso tudo, aprendi. Ao chegarmos no epílogo, a satisfação era geral e as avaliações foram bem positivas a respeito da vivencia. O Professor Bob, não por ser  dele velho conhecido, rasgou elogios a respeito da dinamica que tinha rolado na aula. Era uma equipe que estava apresentando o seu trabalho naquela aula. Eles iriam usar alguns recursos digitais durante a apresentação, mas eles não contavam que eu fosse ter assunto até o fim, e mais um pouco. Não dava para, naquele momento, prestigiar o digital, em detrimento do oral, do "bafo"! Portanto, estava em jogo, entre outras coisas, uma boa nota naquela disciplina. Acho que passamos todos na prova!

domingo, 2 de maio de 2010

Cine Sereia



No ano passado, o Instituto Nzinga concorreu a um edital do Mininsterio da Cultura, chamado de Cine+Cultura, destinado à criação de cineclubes, para popularizar a setima arte, o cinema. O Cine Sereia realizou a sua primeira sessão no dia 8 de março de 2010, quando exibiu o filme "Acorda Raimaundo, acorda!". Estrelado por Paulo Betty, o filme aborda a tematica de genero. A segunda sessão aconteceu no dia 18 de março, com o filme "Kirikou e os animais selvagens" que conta as aventuras do pequeno heroi negro africano Kirikou. Para a terceira sessão, no dia 1 de abril, trouxemos o filme "Azur e Asmar", dirigido pelo mesmo diretor do filme de Kirikou, Michel Ocelot e conta a historia de dois irmãos que foram separados quando pequenos e se enfrentam depois de adultos. Na quarta sessão, dia 8 de abril, exibimos o filme "Wall-e" que conta a historia de como o planeta Terra foi destruido e os humanos tiveram que morar em sua orbita até o dia em a vida é redescoberta na Terra. O quinto filme a ser exibido no Cine Sereia foi "Besouro", no dia 22 de abril. Em todas as sessões, a maioria do publico presente é de crianças. Nzingamuleeke!