Rede Abelha

Loading...

Videos Angoleiros

Loading...

terça-feira, 31 de julho de 2012

Vigésima sexta roda

A nossa ultima roda, na sexta feira passada, foi ainda movida pelas vibrações positivas da grande roda do evento de 30 anos acontecida na semana anterior, quando aqui estavam muitas pessoas dos Nzingas São Paulo, de Brasília e de Maputo. Estavam ainda aqui na soterópolis e puderam participar da nossa vigésima sexta roda, a Ana Flor e o Daniel +. A roda corria tranquila, leve e solta, como são sempre as nossas rodas, até que uma capoeirista  visitante ao fazer um movimento de queda de rim, não conseguiu segurar seu próprio peso e o seu corpo virou por cima de sua mão, causando uma luxação no dedo mindinho. A roda foi interrompida para que as providencias fossem tomadas. Depois disso, os animos esfriaram,  ao mesmo tempo em que a roda seguiu para o seu final.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Sou Nzingueiro!

Ao reunirmos tantos Nzingueiros num só momento, num só local, é de supormos que as “trocas e emoções” serão intensas. E assim foram! Mesmo com alternativas disponíveis, preferiram ficar juntos. Quase todos puderam desfrutar das maravilhas da vivencia no Alto da Sereia. Puderam perceber o quanto o Nzinga está na comunidade e vice-versa. A fusão tem sido notável. No próximo mês de agosto, essa relação com o Alto da Sereia completará 7 anos. Por acaso será no mesmo dia do meu aniversário, dia 18 de agosto.  Cada vez mais altossereinses reconhecem o valor de nossa dedicação e carinho com a capoeira e com as crianças de lá! Quando chego para estacionar o carro na pracinha, o flanelinha vem me dizer que eu não vou precisar pagar nada pelo estacionamento e que ninguém vai encostar no meu carro. Ontem, estava a tomar uma cerveja na Vila Matos e surgiu um homem se dizendo avô de uma criança que faz capoeira no Nzinga e fez questão de me pagar uma “breja”, dizendo que aquilo era o minimo que podia fazer em reconhecimento ao nosso trabalho. Enquanto bebíamos a breja, lhe disse que a melhor forma de ajudar e nos retribuir era continuar orientando a sua neta a frequentar o Nzinga nos dias e hora das aulas. Aliás, essa já uma idéia mais ou menos difundida na comunidade. Sei que algumas crianças não estão na capoeira simplesmente por que não tem ninguém da familia para dar-lhes a sugestão na hora e dias certos. Às vezes, para quebrarmos o um ciclo, basta fazer o certo na hora certa! O dificil é saber qual hora é a certa! A ação constante deve ser valorizada para criar as oportunidades. O detalhe é que às vezes, uma simples coisa que deve ser feita, muda o futuro de uma pessoa e de uma familia

sábado, 28 de julho de 2012

Novos “Suspensos"

No evento de 30 anos, acontecido no ultimo fim de semana, o Grupo Nzinga de Capoeira Angola fez mais dois treinéis: Sway, que tem a sua trajetória ligada ao núcleo do Nzinga Brasília desde a sua fundação em 2001. E Limaverde, coordenador do núcleo Nzinga em Maputo (Moçambique)desde a sua criação em 2006. Agora o staff nzingueiro está composto por:
MESTRES: Poloca, Janja e Paulinha
CONTRA-MESTRES: Daniel e Piter
TREINÉIS: Haroldo, Anderson Barba Ruiva, Limaverde e Sway 
O que espero é que os novos “suspensos” confirmem com trabalho, compromisso, lealdade e dedicação as expectativas inerentes às suas novas funções dentro da organização do nosso Grupo. 

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Vigésima Quinta roda

A vigésima quinta roda foi a roda do grande evento preparado por nossos discípulos para as celebrações dos nossos 30 anos de capoeiragem. O mestre Valmir, da Fica e o Taata Mutá Ymê foram as presenças marcantes naquele dia. Estavam lá ainda as crianças do grupo Zimba/Bate Facho. Foi nesta roda que foram feitos mais dois Treinéis:o Sway do núcleo BSB e o Limaverde do núcleo de Maputo. Foi uma roda daquelas que nunca mais se esquece. Foi linda e cheia de vibrações positivas. AWETO!

Vigésima Quarta roda

Essa roda caiu numa sexta feira 13. Particularmente tenho simpatia por esses dias. A roda foi muito boa! O numero de integrantes e participantes tem sido grande e isso por si só já joga prá cima a vibração da roda. Tínhamos como estimulo o fato de estarmos a uma semana do evento de comemoração dos 30 anos de capoeiragem da gente. Fizemos tipo um ensaio geral com as “parelhas” de berimbaus a serem utilizados na semana seguinte quando receberíamos a galera dos Nzingas de São Paulo, Brasília e Maputo. Foi legal!

30 anos de Capoeiragem

Desde o começo deste ano, estou celebrando os meus 30 anos de capoeiragem. Foram realizados vários pequenos eventos, em diversos locais. Em março estive em São Paulo, no evento “Chamada de Mulher II”. Em maio, estive em Brasília no evento “Vivencia de Capoeira Angola”. Neste mesmo período, estive em Varsóvia (Polonia) e em Marburg (Alemanha) para mais “vivencias” de capoeira. Em todos esses encontros, a idéia de celebrar os 30 anos sempre foi a motivação principal. O Moto-continuo é infinito! A dinamica é intensa e as mudanças na percepção das coisas e sentido de outras é constante. A Kapanga já está com o seu fundo coberto pelas conquistas dessas 3 últimas décadas. Nas próximas 3, espero enche-la até o meio. E se os Nkisses permitirem, quem sabe até enche-la um pouco mais depois disso. Tempo Zará Tempo!

domingo, 15 de julho de 2012

Solar Ferrão - Exposição

A Orquestra Nzinga de Berimbaus realmente fez a sua melhor apresentação como se  eu desconfiasse que assim fosse ser. Os ensaios foram realmente decisivos no resultado final. E agora nada nos resta a fazer senão não parar nunca mais de ensaiar e melhorar cada vez mais a qualidade do show. Tem a possibilidade da inserção da dança afro em alguns temas, como já fizemos algum tempo atrás na Cavalaria. A inserção de outros instrumentos como a Alfaia do Maracatu e o Pandeirão do Bumba meu Boi, na medida em que cantamos toada de Boi e agora estamos acrescentando o Maracatu em nosso repertorio. Existe um grande campo de pesquisas a ser desenvolvido a partir da experiencia da Orquestra Nzinga de Berimbaus (ONB). Se presta à função de estimular aos mais novos na capoeira a se desenvolverem no instrumentos a fim de participar de maneira mais efetiva neste belíssimo projeto.

sexta-feira, 13 de julho de 2012

O N B

Ontem à noite, no momento em que realizava o ensaio da Orquestra Nzinga de Berimbaus(ONB), para a apresentação de hoje no Solar Ferrão (Pelourinho), pude perceber a força que o conjunto está ganhando a partir do estabelecimento de uma rotina de ensaios. Está claro que todos os dias que nos encontrarmos, será também um bom dia para tocarmos juntos. Um outro fato que me chamou a atenção foi como alguns alunos e alunas estão evoluindo nas habilidades de segurar e tocar o berimbau. Existe um núcleo duro, de crianças e jovens em sua maioria, que sempre garantiram a harmonia do conjunto, mas percebe-se agora outras presenças também. Vamos hoje para este show com o desafio de fazermos a nossa melhor apresentação. Usaremos um repertório reduzido pela limitação do tempo. Promete!

domingo, 8 de julho de 2012

Atualizando as Rodas


      Bom, voltando à dinâmica de relatar as rodas realizadas no grupo Nzinga, trago agora algumas impressões da décima sexta, décima sétima e décima oitava. Infelizmente não pude fazer isso após cada uma delas, mas estamos juntos de novo. Lembro-me que teve uma delas que foi heróica mesmo! Tava novamente chovendo e para muitos ficou dificil de chegar, inclusive algumas crianças. Outra, teve a presença maciça de crianças que frequentam assiduamente o Nzinga, mas não treinam capoeira, e portanto, não dominam totalmente algumas regras de convivencia. Acho que já me referi de outra vez a essas crianças! Acho que serão a próxima geração de nzingueiros. Pois é, chegaram e requisitaram grande parte de nossa atenção e energia. Deram muito trabalho nesse dia. Apavoraram mesmo! Há dias e dias... esse foi o Dia.
      Na Décima Nona roda, sucedeu ao feriado de "Corpus Cristi"eu e a Paulinha viajamos para Brasília e não pudemos estar fisicamente nela. Em Brasília, participamos de um evento chamado “Cabelaço”, contra ditadura do cabelo liso ou alisado. Aconteceu na rodoviaria e juntou muita gente. 
      A Vigésima roda aconteceu normal e com destaques para as presenças de alguns nzingueiros que estavavam “sumidos”. As suas presenças foi uma alegria! 
      Na Vigésima Primeira roda aconteceu já pelas vésperas dos festejos juninos, no dia 22. Neste dia aconteceu o ensaio geral da Quadrilha do Alto da Sereia. Só por isso já foi um dia especial!
      A Vigésima Segunda roda caiu na véspera de aniversario de Paulinha e foi totalmente especial. Era o dia de São Pedro, padroeiro dos pescadores e das viuvas.  Foi literalmente uma festa! Bolos, guaranás, licor de genipapo, presentes e o mais especial: uma apresentação oficial da Quadrilha do Alto da Sereia, inclusive com sua indumentaria arrasante! Foi uma farra! Teve muitos fogos e bombas, como manda o figurino junino.
     Por fim, a Vigésima Terceira roda aconteceu antes de ontem, 06, e teve as presenças das crianças que não treinam capoeira mas que ontem não estavam tão “inspiradas” como estavam no outro dia. Não tivemos a presença da Janja, por esta se encontrar na roda do núcleo São Paulo, que acontecem no mesmo dia e hora da nossa aqui em Salvador. Foi isso! Um passadão só para atualizar. Lógico que perdí muitos detalhes destes encontros, mas vamos prá frente que terá mais...