Rede Abelha

Loading...

Videos Angoleiros

Loading...

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A sexta Roda

Foi a roda da ressaca do carnaval. Foi uma roda simples e carregada de boa energia. Tivemos a presença de alguns visitantes. Transcorreu de maneira tranquila e com um repertório musical bem diversificado, onde eu, a Janja e a Paulinha pudemos nos revezar nos cânticos, donde resgatamos alguns que nunca mais havíamos cantado. Depois da roda fomos tomar uma cervejinha na Vila Matos, na barraca do Edinho. A Paulinha havia levado uns salgadinhos chamados “rabo de tatú” que fizeram muito sucesso. De lá, seguimos para o Samba Butequim que naquele dia estava se apresentando no Largo de Santo Antonio. Chegando lá, vimos o largo totalmente ocupado pelos apreciadores da arte. Estiveram lá algumas figuras conhecidas. Meu irmão Gereba também marcou sua presença fazendo uma pequenina homenagem ao grande Luiz Gonzaga, no ano de seu centenário. Salve o velho “Lua”!

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Corpo fechado, alma blindada

"Quem não pode com mandinga, não  carrega patuá”. Esse ditado me induz pensar que uma pessoa mandingueira carrega quase sempre o seu patuá. E, como um pensamento puxa outro, para alguém ter um amuleto ou patuá é necessário que acredite em determinadas coisas. Algumas pessoas não conseguem acreditar em coisas que não entendam, e muitas vezes são coisas que escapam mesmo dos braços da razão. Imagine isso! Como explicar? Razoavelmente acham que isso é mito. Cuidar da roupa branca dias antes de usa-la em uma roda de capoeira, prepara-la desde a lavagem com as folhas certas, a goma de ingomar, a alfazema, o dandá, as contas, dedicar os pensamentos certos, cantar a musica certa para fazer essas coisas...eram fundamentos básicos na capoeiragem de outrora. Além ainda, de não poder fazer “determinadas" coisas no dia em que a peleja é dada como certa. Segundo a lenda, a combinação de fatores que ajudaram a derrubar o grande Besouro Preto foi o álcool, o sexo, faca de ticum com outras rezas. Coisas que de maneira nenhuma são estranhas à maioria de nós. Mas como pode ser? Bom, penso que tudo tem a sua hora e sua vez... Cada pessoa tem o seu “cosmos” e deve se harmonizar com ele para que as suas escolhas sejam certeiras e o futuro aponte para o sucesso. Certas visões conceituais são mais importantes do que as vezes pensa a nossa vã filosofia. Pensar que só será possível saber se o caminho escolhido foi certo ou errado algumas décadas depois é um exercício difícil. É necessário muita convicção! Alguns desses princípios são ancestrais e não deve haver dúvidas em segui-los.
Para mim faz sentido crer em certas “lendas” e tudo que quero e espero é que a minha vivência dê sentido às minhas crenças. E  vice versa. Acreditar faz parte da nossa essência!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Mudança do Garcia

Na segunda feira de carnaval todos os caminhos sempre nos levam para a Mudança do Garcia. A irreverencia é explícita. Saio seguindo o Grupo Gia, o primeiro bloco coberto da Bahia. Nenhum bloco em Salvador oferece sombra para os seus integrantes. Só o Grupo Gia. Chegará o dia em que oferecerá  além da sombra, tambem a água fresca. E seguimos cortejo na contra-mão... todos vindo e nós indo! Quando pareceu facil, voltamos e seguimos o fluxo oficial. Quando a maré era alta, a gente se recolhia nas beiradas. Quando era suave, a gente encarava e passava assim mesmo. Piriguete a 3 por 5 reais, tal qual na festa do Bonfim e Iemanjá. Cheguei a comprar de 4 por 5 reais, mas tinha uma conversa a ser travada antes da negociação. Quando fui bem na conversa, levei 4, outras vezes, levei 3. Quem conhece o Grupo Gia sabe que tudo pode acontecer em termos de criatividade e improviso. Uma das coisas que mais me impressiona é o estandarte amarelo sem inscrição ou imagem. É lindo! Liso e amarelo. Não posso dizer que é em branco porque é em amarelo, liso. No ano passado teve uma coisa muito legal que foi a bicicleta que gerava energia para ativar o sistema de som e que qualquer pessoa podia colaborar com umas pedaladas para carregar a bateria. Este ano teve um outro sistema, acho que com bateria de carro. Quando descarregou, os microfones foram abandonados e ficamos com a potencia dos nossos gogós. Faz parte também! Foi legal poder dar esse gás com a multidão! Isso é carnaval.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Camarote Universitario

Hoje a festa foi no camarote universitário em ondina. Projeto mantido pelo sindicato de servidores técnicos administrativos da Universidade Federal da Bahia, do qual sou um de seus associados. Esse camarote fica defronte a outros bem mais badalados e caros, mantidos pelos grandes hotéis e pessoas famosas. De lá pude ver todas as grandes estrelas passando com seus trios elétricos poderosos, fazendo tremer o chão e os nossos tímpanos. Foi mais uma noite gloriosa e cheia de alegria.Ví  muitos milhares de pessoas juntas e não ví nenhuma confusão. Só Alegria!

sábado, 18 de fevereiro de 2012

O RODANTE

Ontem à noite fui brincar carnaval no bairro do Santo Antonio Além do Carmo, seguindo a folia do bloco carnavalesco “O Rodante”, cuja a concentração foi na Praça dos 15 mistérios. Estavam lá muitos amigas e amigos queridos. Rodamos pelas principais artérias do bairro sob as bençãos da alegria. A “piriguete” estava de novo na promoção: 3 por 5 reais. As fantasias estavam “profissas”... Impossivel não lembrar dos  15 anos em que treinei no GCAP, no forte da capoeira, onde pudemos circular e conhecer todas as “quebradas" do bairro, num tempo em que a ocupação era feita por pessoas simples e modestas, ao contrario de hoje, que é principalmente feita por estrangeiros endinheirados, que estão comprando todas as casas ainda disponiveis. A especulação imobiliaria jogou para cima o valor das edificações historicas.

Já é Carnaval!

Na quarta feira passada fizemos a aula de capoeira com o espirito de quem só vai se encontrar novamente depois da folia momesca. Agora já é carnaval! No meu trabalho, trabalhei até aquele dia... Na capoeira... bom, na capoeira o sentido é mais profundo a respeito do “trabalho”. Para alguns é emprego. Para outros é trabalho. Para outros é missão e causa. E outros, conseguem ser um pouco de todas as alternativas anteriores. 
A cidade pulsa! O verão esquenta! Os sentimentos se uniformizam pela alegria do povo baiano, campeão em simpatia, apesar do aumento das areas reservadas à elite através dos camarotes, em detrimento da redução do espaço publico.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

A Quinta Roda!

A quinta roda do nzinga aconteceu somente com a prata da casa, ou seja, somente com discípulos e discípulas nzingueiras. Estávamos nós 3: eu, a Janja e a Paulinha. Recebemos visitas de pessoas que queriam assistir a roda. Foi tudo redondinho. Ainda existia a greve da polícia e o clima ainda era de insegurança, mas mesmo assim depois da roda, foi possível dar um rolé no Samba Butequim que aconteceu no Carrinho da Alegria, barzinho que tem ao lado do acarajé da Cira, que fica no largo da Mariquita, Rio vermelho. Agora já não existe mais greve e a ordem está voltando à city. A vida voltando ao normal...

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Frase pastiniana!

"A Capoeira está para todo mundo, mas nem todo mundo está para a Capoeira”. Essa frase “pastiniana" resume de maneira emblemática de como é difícil e complexa a tarefa de desvendar os mistérios e segredos da capoeira angola, tanto no âmbito do ensinar como no do aprender. Porque nos tempos que tenho na capoeira, já vi muita gente com habilidades impressionantes para executar os movimentos e as feições da mandingagem mas, no decorrer do tempo não permanecem na capoeiragem. Por quê? Não me arriscaria a responder a esta pergunta... mas sei que em alguns casos é a vida mesmo, com todas as dificuldades que tem direito. Em outros, é a dificuldade da própria pessoa em superar limites e de fazer escolhas pessoais. Nem precisa dizer que os jovens negros no Brasil tem a vida muito mais dificultada do que outros segmentos raciais. São obrigados a entrar no mercado de trabalho precocemente, tendo muitas vezes que abandonar a escola para isso. Um ciclo vicioso que precisa ser quebrado... cada pessoa colabora como puder...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

A quarta roda

A nossa quarta roda do ano na verdade não aconteceu(?). Vou explicar o porquê. Neste dia, era a abertura do evento do Grupo Zimba do qual eu era um dos convidados a dar workshop durante os dias seguintes.  Marcava o retorno do mestre Boca do Rio à Bahia, após 4 anos na europa. A greve de policiais que acontecia já há 10 dias, trouxe à cidade um clima de insegurança muito grande, principalmente naqueles dias, onde aconteceram varios tipos de delitos. Muita gente estava e alguns ainda estão preferindo ficar em casa mesmo. Então, fomos todos nós, integrantes do Nzinga, para o evento que aconteceu de maneira plena e foi muito legal! Teve como convidados eu, os mestres Valmir e Caboré, sem falar do próprio mestre Boca do Rio e do mestre Ras Ciro. A roda de abertura foi bem legal, onde só os mestres e contra mestres puderam jogar a mandinga e um grande numero de inscritos no evento puderam apreciar os bons jogos que aconteceram. Bem vindo de volta mestre Boca do Rio! Saravá!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O que eu sou, é o que faço!

Semana passada faleceu o Dr. Angelo Decânio. Nas ultimas décadas, foi figura importante na capoeiragem baiana. É bem verdade que por ter sido aluno do grande mestre Bimba, o seu perfil se associa de fato, mais à capoeira regional. Desde que entrei na capoeira, 30 anos atrás, nunca o vi jogando capoeira, apesar de saber que isso não signifique que ele não a jogasse. Entretanto, prestou um grande serviço à capoeira angola ao comentar  os manuscritos do mestre Pastinha: A Metafísica da Capoeira Angola. Esses manuscritos estão disponibilizados na internet. Obra imprescindível para o entendimento da filosofia pastiniana, principalmente por parte dos angoleiros e angoleiras, mestres e discípulos que forem! Se a fala traduz o pensamento, a voz e a ação devem ter afinidades! O que eu sou, é o que faço”? 
Dr. Decânio, um doutor na medicina e na capoeiragem, pois do tanto que ele sabia, poucos estariam à altura de enfrenta-lo numa peleja intelectual. Minhas condolências à família e aos amigos!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Mameto Dandá!

Ontem realizamos mais uma festa homenageando Mameto Dandalunda, a Rainha do Mar. Fizemos a entrega dos presentes na anti vespera: um balaio foi entregue para Mameto Kissimbi (Oxum) no dique do Tororó e o outro foi entregue no mar, para Mameto Dandá (Iemanjá), depois da meia noite da quarta feira. Muitos amigos e amigas estiveram presentes. Os mestres Valmir, Renê, Caboré e Boca do Rio, estiveram mais uma vez conosco, deixando os seus axés no nosso chão e nos brindando com suas mandingas. Ontem esteve lá tambem o capoeirista Pepeu, filho do mestre Moraes. Mais um companheiro de viagem, outro malungo. Foi muito feliz o momento em que tocamos e cantamos juntos.  A camiseta do evento arrebatou mil elogios, feita por minha queridíssima sobrinha, Alice Kottler(alice.kottler@gmail.com). A feijoada, mais uma vez arrasou de gostosa, feita pela já famosa Nalva. O samba de roda, sob a batuta do mestre Renê, foi outro ponto alto da festa. Ontem fizemos ainda, a entrega de título de contra mestre para Daniel Marconi e Piter Bedoian. São os primeiros contra mestres do Nzinga. O Anderson Barba Ruiva foi elevado a Treinel. Foi um dia glorioso para a historia que começamos a construir há 30 anos. Tudo deu super certo! ODOYÁ!