Rede Abelha

Loading...

Videos Angoleiros

Loading...

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

33

Acabei de chegar do Alto da Sereia. Hoje realizamos a trigésima terceira roda do ano. Desde ontem em Salvador, está fazendo um frio danado! Os ventos estão soprando mais fortes do que de costume. Ontem, 27, dia de Cosme e Damião, o tempo mudou logo cedo e começou a chover com a temperatura bem abaixo do normal. Mesmo assim foi possivel sair a noite para comer um carurú de preceito. Inclusive com visita do próprio  Erê. Hoje, fizemos a roda com menos gente do que de costume. Tivemos visitas do Grupo Zimba e da Fica. Ao sairmos da roda, fomos em mais um carurú. Aniversario de uma criança de 1 ano. Fomos muito bem recebidos e atendidos. O numero de crianças foi grande e ficamos na folia até a pouco tempo atras. VIVA OS VUNJIS! VIVA OS ERÊS!

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Trigésima Segunda Roda 2012

Essa roda foi muito boa! Primeiro pelo fato de estarmos os 3 mestres juntos. Isso por sí só, já dá um tom diferente. Juntos, somos 90 anos de capoeira! Foi resistencia! Cantamos, tocamos, jogamos, educamos e ficamos bem no final. Na descida, paramos no isopor da pizza e do quaraná de Bebê, irmão de Leo, e da amiga Mariane. Foi animada a reunião! Imaginem que essa hora é valiosa! 

LÁGRIMAS!

Estes dias perdemos uma amiga querida e todos nós, os amigos e amigas, choramos juntos. Nos momentos da tristeza, é normal chorarmos. Na ultima olimpíada, vi muitos atletas chorando de alegria quando recebiam as suas medalhas. Então, fiquei pensando na lágrima. Se seriam mais salgadas as lágrimas da tristeza ou da alegria? Ja que também choramos quando rimos. Depois me lembrei da “lágrima de crocodilo”, aquela que escorre apenas por um dos olhos, e que dizem por ai que é a lágrima de falsidade. Existe aquela lágrima de sono ou de quando bocejamos. Tem aquela outra de quando olhamos para o sol e os olhos marejam. Quando engasgamos, nossos olhos tambem deixam escapar algumas delas. A lágrima da dor, depois de uma pancada forte, por exemplo, pôde ser lembrada. Será que tem muito mais tipos de lágrimas além dessas que citei? Qual delas seria a mais salgada? E o sal de cada uma, será que poderia ser usado no preparo de porções mágicas? Será que o sal oriundo da lágrima da alegria serviria para temperar a comida de uma pessoa e acabar com a sua tristeza? Será que o sal da lágrima do sono acabaria com a insonia de alguem? Para falar a verdade, gosto mesmo é do sal do mar que tempera o meu viver!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

31

A trigésima primeira roda foi na sexta, 14, e foi também interessante pelo fato de ter mantido uma boa pulsação o tempo todo. O Ritmo estava bom! Parece que a combinação deu certo, de maneira que as coisas fluíram de um modo simples, mas mágico. Cada um deve saber o seu lugar e assumi-lo na hora da definição de quem comporá a bateria. Quem toca o que? Poucos são os que podem “segurar" o gunga com a qualidade que os mestres necessitam para mostrar os seus melhores jogos. Outra dificuldade é quem vai “segurar” o atabaque. Se a gente perguntar a algumas pessoas se elas sabem tocar o atabaque, vão dizer que sabem, mas  na hora que começa a ladainha, descobrimos que não tem o “pique”. Sabem fazer o "TÁTÁ  TUM  TÁ", mas não tem ritmo, vibração e pulsação. Falta  “pegada”. Nesta roda, não faltou nada disso! Sem falar que uma boa ladainha, chula e depois uma seqüência inspiradora de corridos pode fazer toda a diferença, e fez. Jogos desenvoltos e criativos, ora na sintonia da viola, ora na batida do gunga. Em outras palavras, saímos da roda melhores do que quando entramos! Iê,Viva meu Deus!

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Triste Partida!

Ontem, dia 12 de setembro, foi um dia triste para nós da comunidade do Alto da Sereia, pois perdemos neste dia uma pessoa bastante querida e importante parceira do Grupo Nzinga, vitimada por um AVC. O nome dela era Janice mas todo mundo a chamava de “NÊGA”. Ela era mãe de Iolanda e tia de Leo e Bebê. Sempre foi uma incentivadora da participação dos jovens na capoeira. Dentro da comunidade do Alto da Sereia, ela morava num “gueto” chamado de “Corea”, onde também moram as jovens Janete e Bruna, que dos adolescentes são as com mais tempo no Nzinga, 7 anos. O povo de santo da casa que ela fazia parte na Ilha de Itaparica veio em grande numero e, na hora do sepultamento, causou grande emoção a hora em que foram entoados os canticos para a sua despedida. Ela aparece de maneira destacada no video chamado “Jogo capoeira no Alto da Sereia”. concebido pelo nzingueiro Jon Lewis. 

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Trigésima roda do ano

A trigésima roda aconteceu no ultimo dia 31 de agosto. Foi inteiramente doméstica. Só tínhamos nós “nzingueiros”! Eu e Paulinha começamos nos berimbaus e depois apenas eu girei o mundo na roda da capoeira. Dá prá ver de maneira mais clara o grau de crescimento de cada um e, de todos no conjunto da obra. Hoje não teremos roda em virtude do feriado da “Independencia do Brasil”. 
Alguns adolescentes por causa da fase, tem deixado de cantar em virtude das variações de tons que as suas vozes apresentam, exceto o jovem Antonio Telles Neves, que tem dado mostras de que é  possível sobreviver e até renascer durante a adolescencia. Será que é porque Santo Antonio protege a barquinha de Noé? Deve ser... Vixe!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Fazendo a diferença

Quando estamos esperando o transporte que nos conduz aos compromissos culturais que temos assumido principalmente com a Orquestra Nzinga de Berimbaus, a gente fica fazendo o guarnicê em  frente do prédio, num banco de concreto que tem embaixo de uma pequena árvore, na altura do primeiro degrau da rua Alto da Sereia, próximo ao asfalto da avenida oceanica. A aglomeração chama a atenção das pessoas que a todo momento sobem e descem o morro, porque estamos com a indumentária amarela e preto  ou todos estamos usando roupa branca, às vezes é ao toque do arco musical, atabaque e pandeiro. Muitas pessoas já sabem dos nossos agitos e, outras podem visualizar um pouco do que estamos fazendo ao nos ver saindo “vestidos”em um carro grande. Muitas vezes esse é o momento de conversar e atualizar as noticias em relação às propostas e idéias. E assim, a gente vai tentando fazer a diferença.